quarta-feira, 8 de julho de 2009

LENDA DA FIGUEIRA DA FOZ

A FIGUEIRA (NA FOZ)



A bela cidade de Figueira da Foz, minha terra natal, possui uma das mais bonitas praias portuguesas, conhecida como “Praia da Claridade”.
Penso que poucas pessoas saberão de onde lhe vem o bonito nome de FIGUEIRA DA FOZ.
De pequenina ouvi contar a sua história, que teria começado por ser Figueira NA Foz. Mas o melhor será relatar aquilo de que me lembro:
Conta uma velha lenda que no sopé da Serra da Boa Viagem, que fica muito próxima da cidade, existia um castelo onde vivia um rei, viúvo, e sua filha, Nahida, para além de toda a corte.
Do castelo via-se o mar e a serra, e diziam os “antigos” que, a sul e a nascente, havia um belo rio e uma enorme planície verdejante.
A rainha, que o rei amara perdidamente, morrera ao dar à luz a sua única filha, Nahida. O rei ficara de tal modo transtornado com a sua morte que impôs uma lei que expulsava do castelo todas as famílias que tivessem filhos varões com menos de 20 anos, assim como quem os viesse a ter até 20 anos depois do nascimento de Nahida.
Pretendia o rei, com esta medida, evitar que sua filha viesse a morrer de parto como acontecera com a mãe, a sua idolatrada esposa.
Queria, pois, que a filha, para quem transferira todo o afecto e amor que tivera por sua esposa, vivesse muitos anos, para o que deveria ser casta.
Deste modo a princesinha não poderia conhecer nem brincar com qualquer criança do sexo oposto.
A sua melhor amiga, da mesma idade, Zahra, era a filha mais nova dum rico fidalgo por quem o rei nutria especial simpatia e confiança.
Entre as duas crianças havia uma enorme amizade e ternura.
A vida ida decorrendo normalmente até que uma manhã Nahida foi acordada subitamente pela sua ama que, aflita, lhe contou que seu pai mandara expulsar do castelo toda a família de Zahra.
Durante dois anos a princesa manteve-se presa dum profundo desgosto, que a fazia chorar pela perda da amiga e da crueldade do pai.
Certo dia a princesa arquitectou um plano para fugir do castelo. Esperou pela noitinha e, enganando a vigilância dos guardas, caminhou em direcção ao rio, cuja água brilhava ao luar.
A uma distância razoável do castelo avistou uma árvore frondosa, para os lados da foz do rio. Aproximando-se, viu, escondida entre altos juncos e alguns salgueiros, uma cabana. Encaminhando-se, receosa mas cheia de curiosidade, reparou num pequeno barco ancorado junto à entrada da cabana.
No silêncio reinante pareceu-lhe perceber o som de uma respiração compassada, como de alguém que estivesse dormindo...
Avançando sem ruído, foi entrando, deparando-se, primeiro, com remos, redes e bóias suspensas dos ramos de um salgueiro. A um canto da pequena cabana encontrava-se um catre vazio, coberto por tecido limpo e renda fina. No chão, a seu lado, dormia tranquilamente um robusto cão, de pêlo cuidado.
Tão silenciosa como entrara saiu da cabana e, desistindo de fugir sem descobrir aquele mistério, voltou ao castelo.
No dia seguinte a velha ama contou à princesa que à volta do castelo rondava um bonito e manso cão que parecia trazer amarrado à coleira um pequeno objecto.
Na noite desse dia a princesinha voltou de novo à cabana dos salgueiros.
Dentro da cabana, com todo o cuidado retirou da coleira do cão um pequeno invólucro de cartão que continha dentro um manuscrito.
Surpreendida, desenrolou-o e leu-o com os olhos rasos de lágrimas.
Era uma mensagem da sua companheira de infância que fora expulsa por seu pai.
Dizia-lhe que, se a quisesse ver, fosse junto à figueira, perto da foz do rio, pois que era debaixo dessa árvore que dormia quase todas as noites de verão, por se sentir ali mais fresca e segura.
Nahida acabara de ler o manuscrito que lhe era dirigido. Olhou em direcção à figueira e começou a correr como uma louca em direcção á frondosa fárvore que ficava perto da foz do rio
Ali chegada, depois de se abraçarem e fazerem amor, juraram nunca mais se separarem.
O que acontecera foi que, ao nascer Samuel, lhe fora dado o nome de Zahra, passando a andar vestido de menina. Os pais tentaram evitar, daquela forma , serem desterrados para longe do castelo.
Só que, certa noite de verão, o rei surpreendeu, nus, sua filha e Samuel, beijando-se apaixonadamente,



o que o levou a expulsar do castelo a família de Zahra/Samuel.
E foi por isso que Nahida, depois de ler o manuscrito, correu para junto de Samuel, encontrando-o junto da frondosa figueira que ficava perto da foz do rio
Pouco tempo depois, providencialmente, o rei morreu.
Meses depois ambos resolveram mandar erigir junto à velha figueira um palácio de verão para assinalar para sempre o seu reencontro. À volta desse palácio à beira rio foi surgindo, ao longo dos tempos, uma bonita povoação de onde se avistava, a norte, no coração de Buarcos, o castelo do reino do qual ainda hoje restam vestígios.
A essa nova povoação, virada a sul do castelo, o povo passou a chamar Figueira da Foz, em homenagem àquele atribulado e persistente amor.

Mariazita, Julho de 2007.
:::~~~000~~~::::


Figueira da Foz em 1888:

28 comentários:

Pjsoueu disse...

Mariazita,

Que história linda envolvente...

"Amei" :)

beijinhos debaixo da Figueira,na Foz:)

Pj

Maria João disse...

Mariazita

Bonita a lenda da Figuiera da Foz. As lendas,representam as vivências e fantasias de muitas gerações que desta forma aliavam a transmissão de valores e saberes, mas também criavam uma ligação forte de novas gerações aos lugares de origem.
Para mim, são sempre bonitas, porque me transportam para os contos de infância!

Um beijinho grande

O Profeta disse...

...E um livro?


Doce beijo

Francisco Sobreira disse...

Querida Maria,
Muito bonita a história, como geralmente as que você narra neste cantinho. Um beijo carinhoso.

ELISABETH disse...

BOM DIA : mais uma linda lenda...ke nao conhecia e como diz o PROFETA ke tal 1 livro?....
bjokas de figo

paula disse...

Ola Mariazita

Adorei esta lenda, o nosso país está cheio de historias de encantar, que mais parecem historias para crianças. Adorei a historia.

Beijos

Canduxa disse...

Querida Mariazita,

Que história maravilhosa!
Um amor tão belo só podia ter um final feliz
e, a Figueira da Foz é linda...não admira!

Mil beijinhos da manita

In Cucina disse...

Que linda lenda Mariazita!
Adorei conhecer essa história da Figueira da foz!
Beijos brasileiros, Teresa

Sonia Schmorantz disse...

É mesmo uma história de encantar! Que lindo!
beijos

António Gallobar disse...

Para si Mariazita o meu primeiro selinho à sua espera no meu cantinho, com um beijinho junto, depois voltarei para ler a sua lenda da Figueira.

Parabens também pelo seu trabalho
Antonio Gallobar

O Profeta disse...

Ao meu querer!
Dias noites, estações esquecidas
Inventei sonhos para sonhar
Lavei mágoas, dores perdidas

Uma árvore toca as águas da lagoa
O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
Um Melro negro solta um pio ao acaso
A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


Convido-te a ver a Cor da Claridade


Doce beijo

João Videira Santos disse...

---E a Figueira é bem nota no coro da natureza!

Sandra disse...

Passei por aqui para conhecer este outro ladinho do blog.
Com carinho
sandra.

Obrigada pela visita.

Barbara disse...

Para hindus, e mesmo nas histórias bíblicas, a figueira é símbolo de segurança, de firmeza e de verdade.
Adorei a história.
Obrigada.

J. Araújo disse...

Adorei a história, lenda da figueira, não a conhecia ainda.

Bjs

Daniel Costa disse...

Marazita

Conheço, razoavelmente a Figueira, mas desconhecia a lenda. A ciade e a zona são lindas.
Enfim, quase todas as cidades e muitas vilas têem as suas lendas.
Beijinhos,
Daniel

Vitor Chuva disse...

Olá Mariazita!

Começarei por apresentar-me, explicando a razão porque vim "desaguar" neste seu blog.Escrevo, ocasionalmente, no blog Sempre Jovens, para além do meu proprio. Por pura coincidência, resultante do facto de você ser uma colaboradora do mesmo, vim aqui dar uma olhadela. E, descobri que somos da mesma terra- eu nasci em Vila Verde, há um bom par de anos. A história que conta, explicando a origem do nome, confesso que não conhecia; as que já ouvi são menos elaboradas e menos bonitas do que esta, de que gostei muito.

Parabéns!

Vitor Chuva

Pena disse...

Linda Amiga:
Como adorei a sua explanação sobre a bela e incomparável cidade da Figueira da Foz.
Adorável. Significativa.
Fiquei feliz porque já passei um número ilimitado de férias lá e adorei!
Bem-Haja, doce amiga.
Beijinhos de significação pelo seu talento e genialidade em tudo o que "confecciona".
OBRIGADO pela encantadora preciosidade humana que é.

pena

Linda...!

Gui disse...

As fascinantes lendas das nossas terras. Um beijo

Fernanda disse...

Amiga Mariazita,

Assim que lhe seja possível, passe pelo Blogue Na Casa do Rau, pnde tem um pequenino "selinho" com muito carinho à sua espera.

beijinho e rápidas melhoras.
Fernanda

Luis F disse...

Gostei muito de ler este texto e de envolver-me no teor da história...

Os meus parabens

Luis

António Gallobar disse...

Simplesmente fantastico este fantastico conto, muitos parabens e um beijinho, esperando em breve o regresso ao nosso convivio.

metamorfosear disse...

como faz falta estes contos, Nos dias de hoje as pessoas se acostumaram com os meios eletronicos e usam a visão em detrimento da audição. As bilbiotyecas estão cheias de livros e vazias de leitores.

Vitor Chuva disse...

Olá Mariazita!

Esperando tê-la em breve de volta ao nosso convívio, convido-a a ir buscar ao meu blog um pequeno selo, que com muito gosto lhe dedico, e lá espera por si.

Um abraço dum Vilaverdense!
Vitor Chuva

Spectrum disse...

A Figueira é linda. adoro lendas.
tarde, venho agradecer a visita há muito feita oa meu moribundo blog. renascido, espero.

rouxinol de Bernardim disse...

Gostei da lenda e da forma como está escrita...

Poseidón disse...

Mariazita,

Que historia tan linda con el amor siempre por delante.
feliz fim de semana
Abraços

Anónimo disse...

Gamydycloca

[url=http://healthplusrx.com/canker-sores-alphthous-ulcers]canker sores alphthous ulcers[/url] Valothale