quarta-feira, 27 de maio de 2009

HABEAS-PINHO

Em 1955, em Campina Grande, na Paraíba, um grupo de boémios fazia serenata numa madrugada do mês de Junho,



quando chegou a polícia e apreendeu o violão.

Decepcionado, o grupo recorreu aos serviços do advogado Ronaldo Cunha Lima, então recentemente saído da Faculdade, e que também apreciava uma boa seresta.

Ele peticionou em Juízo para que fosse liberado o violão.
Aquele pedido ficou conhecido como "Habeas-Pinho" e enfeita as paredes de escritórios de muitos advogados e bares de praias no Nordeste.

Mais tarde, Ronaldo Cunha Lima foi eleito Deputado Estadual, Prefeito de Campina Grande, Senador da República, Governador do Estado e Deputado Federal.

Eis a famosa petição HABEAS-PINHO

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 2ª Vara desta Comarca:

O instrumento do crime que se arrola
Neste processo de contravenção
Não é faca, revólver nem pistola,
É simplesmente, doutor, um violão.

Um violão, doutor, que na verdade,
Não matou nem feriu um cidadão,
Feriu, sim, a sensibilidade
De quem o ouviu vibrar na solidão.

O violão é sempre uma ternura,
Instrumento de amor e de saudade,
Ao crime ele nunca se mistura,
Inexiste entre eles afinidade.

O violão é próprio dos cantores,
Dos menestréis de alma enternecida
Que cantam as mágoas e que povoam a vida
Sufocando suas próprias dores.

O violão é música e é canção,
É sentimento de vida e alegria,
É pureza e néctar que extasia,
É adorno espiritual do coração.

Seu viver, como o nosso, é transitório,
Porém seu destino se perpetua,
Ele nasceu para cantar na rua
E não para ser arquivo de Cartório.

Mande soltá-lo pelo Amor da noite,
Que se sente vazia em suas horas,
Para que volte a sentir o terno açoite
De suas cordas leves e sonoras.

Libere o violão, Dr. Juiz,
Em nome da Justiça e do Direito,
É crime, porventura, o infeliz
cantar as mágoas que lhe enchem o peito?

Será crime, e, afinal, será pecado,
Será delito de tão vis horrores,
perambular na rua um desgraçado
derramando ali as suas dores?

É o apelo que aqui lhe dirigimos,
Na certeza do seu acolhimento,
Juntando esta petição aos autos nós pedimos
e pedimos também DEFERIMENTO.
Ronaldo Cunha Lima, advogado.




O juiz Arthur Moura, sem perder o ponto, deu a sentença no mesmo tom:

"Para que eu não carregue remorso no coração,
Determino que seja entregue ao seu dono,
Desde logo, o malfadado violão! “

Recebo a Petição escrita em verso
E, despachando-a sem autuação,
Verbero o ato vil, rude e perverso,
Que prende, no cartório, um violão.

Emudecer a prima e o bordão,
Nos confins de um arquivo em sombra imerso
È desumana e vil destruição
De tudo, que há de belo no universo.

Que seja Sol, ainda que a desoras,
E volte à rua, em vida transviada
Num esbanjar de lágrimas sonoras.

Se grato for, acaso ao que lhe fiz,
Noite de lua, plena madrugada,
Venha tocar à porta do Juiz.


23 comentários:

Ricardo Calmon disse...

Belo Belo,Mariazita,Amei:

Abriu dia meu,com narrativa de causo esse!
Abrir a janela da vida e ler, de oráculo seu através,da vida páginas,me faz sentir pessoa!

Te abarço, escriba da alma!

Viva a Vida!

Moacy Cirne disse...

Uma história de Campina Grande? Vixe, Menina... Nos anos 50, era a cidade preferida dos meus pais para que lá passássemos as férias de junho/julho. Você sabia que o melhor revólver Taurus do mundo é fabricado em Campina Grande? E que o uísque escocês de lá é superior ao uísque da própria Escócia... Ah, são muitas as histórias de Campina Grande, brava cidade sertaneja na Borborema paraibana. (Mais dia,menos dia, ainda coloco no Balaio a história das notas falsas.) E lá, por ser no alto da serra, faz um friozinho muito gostoso.

Um beijo. E um xero.

Whispers disse...

O violão chora as dores
Daquele que pede esmola
Mas também canta os amores
Do coração da mais pura donzela

Se o violão pudesse falar
Entre gemidos e ais
Ele ia ter muito para contar
E fazer chorar muito mais

Um bom dia e um beijinho
Whispers

com senso disse...

Amiga Mariazita

É uma beleza esta "estória" e é de gente assim que se constrói algo de positivo no mundo.
Levar a sério, o que é mesmo sério e ter imaginação, humor e graça para enfrentar os pequenos episódios quotidianos da vida é algo que infelizmente não se vê com frequência.
Gostei muito!
Um beijinho com amizade.

Oliver Pickwick disse...

É um episódio muito conhecido por aqui, antes da justiça perder a ternura e a condição de zeladora dos princípios de igualdade para todos.
Um beijo!

Canduxa disse...

Querida Mariazita,

Que Linda história… Adorei!
Afinal, o violão só poderia matar de amor algum coração...

Beijinhos da Mana e da Manita

Multiolhares disse...

Lá vai o tempo em que os delitos eram feitos de musica,linda história que acabou em bem
Bj

Princesa disse...

SER AMIGO É…
Andar junto,
mesmo que distante.
É ser legal,
jamais superficial.
Dizer o que pensa,
sem ofensa.
Calar para ouvir,
sem intervir.
Falar sem rodeio,
sem receio.
Guardar o segredo,
secar o pranto,
dar o ombro.
Estar para o que der e vier,
e jamais abandonar.
É alguém com quem sempre
se pode contar.
Ser amigo, afinal,
É SER ESPECIAL!
Bom fim de semana
beijinhos

manuel disse...

que maravilla de blog,tus palabras estan llenas de sentimiento y de amor.
www.miscanasyyo.blogspot.com

Nuno G. disse...

que lindo!!!!!! encantadora historia! como muito significado...

(www.minha-gaveta.blogspot.com)

JADY*ALVES disse...

Minha linda amiga que mora em meu coração.

Receba meu sorriso por postagem tão sensível.
Amei!

Abraços e carinhos da Jady

kilder disse...

muito boa essa história, me fez pensar em muitas coisas da vida...parabéns! criatividade...

boa semana.

Maria João disse...

Amiguinha...

Bonitas são as histórias que encontras para nos contar. Há sempre nelas, uma lição de vida, um fio condutor que nos guia para uma reflexão mais profunda e tão necessária sobre a nossa natureza, as nossas forças e fraquezas e sobre os enigmas que de uma forma ou de outra nos perturbam a todos em algum momento da vida.
A presente história revela-nos a necessidade e a vantagem de ser emocionalmente inteligente e assertivo, num mundo de injustiças e desproporcionadas razões... um exemplo a seguir sem duvida, não negligenciando também, o sentido de humor que lhe está inerente.!

Adorei... como sempre!

Beijinho muito grande

Valdemir Reis disse...

Olá amiga Mariazita é sempre uma grande satisfação voltar aqui, registro minha gratidão por sua amizade, atenção e gentileza, obrigado mesmo de coração por sua visita e comentário, tudo isto nos fortalece e aproxima. A casa é nossa volte sempre. Saiba que admiro muito o seu trabalho. Realizado sempre com muita Inteligência e excelente qualidade, parabéns pela excelente escolha, ótimo texto, história muito interessante, humor e imaginação a vontade, gostei, meu reconhecimento e votos de muito sucesso e brilho.
Quero compartilhar com você o poema abaixo de Vinícius de Moraes:
“Certas palavras podem dizer muitas coisas;
Certos olhares podem valer mais do que mil palavras;
Certos momentos nos fazem esquecer que existe um mundo lá fora;
Certos gestos, parecem sinais guiando-nos pelo caminho;
Certos toques parecem estremecer todo nosso coração;
Certos detalhes nos dão certeza de que existem pessoas especiais,
Assim como você que deixarão belas lembranças para todo o sempre. Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.”
Desejo uma semana repleta de grandes realizações e alegrias extensivo aos familiares. Forte abraço, paz, luz, saúde, prosperidade e muitas bênçãos. Fique com Deus. Felicidades.
Valdemir Reis

In Cucina disse...

Querida mariazita, já conhecia essa bela história. É de encantar!
Inteligente e poética a ação do advogado e do juiz! Afinal, como punir algo tão sublime e belo?
Beijos brasileiros, teresa

irineu xavier cotrim disse...

e depoiis que virou politico? se prostituiu ou não? Be, realidades a parte, o texto é interessante...

meus instantes e momentos disse...

ótimo post.
É muito bom teu blog, gosto daqui.
Maurizio

O Profeta disse...

Mil caminhos
Esta viagem sem velas nem vento
Este barco na bolina das ondas
Esta chuva miúda transborda sentimento

Amarras prendem o gesto
Arrocham um coração que bate incerto
Uma gaivota retoca as penas com espuma
Levanta voo em rumo concreto

Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


Mágico beijo

irineu xavier cotrim disse...

por que tantos blogs? pra se perder e depois se achar...

R. Rudoisxis disse...

Não conhecia e fiquei encantado com esta petição bem como com o despacho do Juiz.
E saber que isto foi real, então passa a obra prima na cultura dos povos.
A vida e o encanto do canto e das melodias, num hino que fica para a história.
Beijos

Francisco Sobreira disse...

Bela história, minha amiga. Esse Ronaldo Cunha Lima participou de um programa de TV de perguntas, as quais respondia em versos. Pois é, um poeta, mas que resolveu se meter na política e aí se tornou um igual aos seus colegas. Não sei se você sabe que ele tentou assassinar um adversário, que escapou, mas ficou paralítico até morrer. Ele era senador e o processo contra ele, no senado, não foi pra frente, mofando na gaveta da instituição. O filho dele, Cássio, também se meteu na política e há pouco tempo foi apeado do cargo de governador por improbidade. É isso. Um beijo carinhoso.

Anjo azul disse...

Se certos violões falassem
Das suas notas de par em par
Talvez alguns contassem
Muitas Histórias de encantar

Quantas vezes o violão embala
A doçura de uma paixão
Quantas vezes o violão fala
No lugar do nosso coração

Num sorriso ou num lamento
Seja de noite ou de dia
Cada nota é um sentimento
Que nos fala com magia

Anjo azul

FALCÃO PEREGRINO disse...

Olá,
Muito boa leitura para se começar o dia com alegria.
Gostei do blog, vou seguir.
Abs!